Sêo Dotô, Sêo Dotô!

Sêo Dotô, Sêo Dotô!
Zé Pelintra chegou.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

TAMBOR DE MINA E UMBANDA: O culto aos caboclos no Maranhão

Mundicarmo Ferretti
Publicado no Jornal do CEUCAB-RS:
Sagrado
  (1)
TAMBOR DE MINA E UMBANDA:

O culto aos caboclos no Maranhão
 
RESUMO
caboclas, apoiada em pesquisa sistemática realizada em terreiros de Mina de São Luís, a partir de 1984, em
entrevistas e observações realizadas no interior do Estado e em terreiros de outras denominações religiosas afrobrasileiras.
Fala da relação e das diferenças entre as entidades espirituais caboclas e as indígenas e compara o
caboclo do Tambor de Mina com o recebido em terreiros de Umbanda no Maranhão.
: Visão geral sobre a religião afro-brasileira do Maranhão e, em especial, sobre as entidades espirituais
PALAVRAS-CHAVE
 
Antes de começar a falar sobre o culto aos caboclos no Maranhão, gostaria de
agradecer ao
Sul
Antônio Pernambuco Nogueira pela forma atenciosa como fomos e estamos sendo tratados.
Gostaria também de informar que, embora tenha uma ligação com a Casa das Minas-
Jeje (onde toco um instrumentos musical - cabaça), minha ligação com a religião afrobrasileira
é maior como pesquisadora, uma vez que não sou iniciada.
Queria ainda esclarecer que minha pesquisa sistemática sobre religião afro-brasileira é
centrada no Tambor de Mina da capital maranhense. Por essa razão, embora eu tenha
realizado observações e entrevistas em terreiros de outras cidades maranhenses, como Codó e
Cururupu, e em terreiros de Umbanda da capital e do interior, vou tratar aqui mais sobre o
caboclo no Tambor de Mina. (Se alguém estiver interessado em ler ou xerocar algum dos meus
trabalhos anteriores mais relacionados ao tema a ser desenvolvido aqui, estou deixando na
coordenação dois livros, um LP e cópia de alguns artigos publicados por mim últimos dez anos
sobre religião afro-brasileira e entidades espirituais caboclas).

Conselho Estadual da Umbanda e dos Cultos Afro-Brasileiros do Rio Grande dopela oportunidade de participar deste encontro, e ao seu Conselheiro-Geral: Sr. Adalberto
A RELIGIÃO AFRO-BRASILEIRA NO MARANHÃO

Não se pode falar em religião afro-brasileira do Maranhão sem falar em Tambor de
Mina e nos dois terreiros mais antigos dessa denominação religiosa, localizados no bairro de
São Pantaleão (Centro): a
Nagô
Acredita-se que a primeira tenha sido fundada por uma rainha do antigo reino do
Dahomé, vendida como escrava após o falecimento do Rei Agonglô (1797), ou por pessoa por
ela iniciada (VERGER, P., 1990). Fala-se que a Casa de Nagô foi aberta por outro grupo, com a
colaboração da primeira, razão pela qual é muito ligada a ela. Fala-se ainda na Casa das Minas
da existência no passado de um terreiro Cambinda muito ligado à casa Jeje em Codó, interior(2).
do Estado
 (3), seDesceu na Guma Tambor de Mina, Cura e Baião na Casa Fanti-Ashanti (1991).
recebe vodum ou gentil, no entanto, na maioria dos terreiros, costumam ser recebidos com
maior freqüência e permanecer em terra por mais tempo.
No Maranhão, os terreiros de Mina abertos por africanos são chefiados espiritualmente
por vodum ou orixá (Zomadonu e Xangô), mas a chefia de entidade cabocla é bem antiga nos
terreiros de São Luís e parece ter começado com o Terreiro da Turquia (que, segundo seu
atual dirigente, é de 1989).
Embora haja uma certa uniformidade na representação das entidades espirituais, a
nação, a família e a idade de uma entidade pode variar de um terreiro para outro, uma vez
que se apoiam em relações múltiplas muito complexas. Na Mina maranhense, o vodum
Averequete é nagô assentado no jeje; a cabocla Jarina é turca mas pode vir na família do Rei
Sebastião; Legua-Boji é vodum cambinda mas é chefe de uma linha de caboclo e pode vir bem
velho ou ainda moço.
A religião afro-brasileira no Maranhão, em suas diversas denominações é bastante
ligada ao catolicismo. Alem dos terreiros realizarem festas e rituais do catolicismo popular,
como a
no terreiro, com água benta), alguns ritos católicos são indispensáveis nas festas de voduns e
encantados, como:
As festas de voduns e encantados costumam ser também animadas por brincadeiras do
folclore como:
família da Turquia);
Beirada (filho de Dom Luiz Rei de França)
Na Mina as festas são muito freqüentes, acompanham o calendário santoral católico e
costumam incluir três noites de toque. Em algumas datas do ano quase todos os terreiros
fazem toques (20/1 - São Sebastião; Sábado de Aleluia; 2º domingo de Agosto - Averequete;
4/12 - Santa Bárbara). Em varias outras datas muitos terreiros tocam uma ou três noites (24/6
- São João; 29/6 - São Pedro; 26/7 - Santana; 28/9 - São Miguel; 8/12 - N.Sra. da Conceição;
13/12 - Santa Luzia). Existem algumas datas festejadas em uma ou em poucas casas, mas no
Maranhão, só não se faz toque na Quaresma (período do calendário cristão).
Embora, excetuando-se a Casa das Minas-Jeje, os médiuns no Maranhão recebam mais
de uma entidade espiritual, na Mina geralmente se dança, à noite toda, com a mesma
entidade (com a dona da cabeça, seu senhor ou senhora, ou com seu guia -caboclo chefe). Nos
terreiros onde os médiuns têm muitas entidades de categorias diferentes, costuma ocorrer
toques em homenagem a determinadas categorias de entidades, com estrutura idêntica ao
usual (como a
Festa do Espírito Santo, Queimação de Palhinhas do Presépio, Batismo (na igreja oumissa, procissão e ladainha (em latim).Tambor de Crioula, na do vodum Averequete e do caboclo Jariodama (daBumba-Boi, na do vodum-cambinda Légua Boji-Buá e do caboclo Corre-(4).Festa das Moças, do Terreiro Fé em Deus), ou com estrutura diferente (como a
Bancada,
Alguns terreiros realizam também para determinadas categorias de entidades toques
especiais como: o
mata”) e o
realizados em São Luís, no Terreiro Fé em Deus. A Casa Fanti-Ashanti realiza também uma
festa para entidades femininas ligadas à Cura/Pajelança, no dia de Santa Luzia (13/12),
denominada
São Gonçalo
terreiros de Umbanda, algumas casas de Mina, como o Terreiro de Iemanjá de Pai Jorge Itaci,
realizam, no dia 13/5 (dia da abolição da escravatura no Brasil),.um toques e um
Crioula
Holanda.
Na Mina não há festa para Exu e incorporação de Pombagiras. Nos terreiros mais
antigos, como mostrou Sergio FERRETTI (1985), Legba é saudado com respeito, de forma
realizada com entidades femininas).Tambor de Borá (para índios, precedido, geralmente, por acampamento “naTambor de Fulupa (com “cama de espinhos” para os encantados), ambosBaião, que, apesar da incorporação das entidades femininas, lembra os Bailes de, do catolicismo popular. E, embora os Pretos-Velhos sejam mais cultuados emTambor deem homenagem às entidades velhas da Mina: Mãe Maria, Pai José, Camundá de
discreta, “para que não perturbe os trabalhos”. Outras entidades assumem seu papel
tradicional nas religiões africanas. Na Mina-Jeje, os
Queviosô falam pelos mais velhos (que são mudos na Casa das Minas).
No Maranhão, a entidade espiritual que “abre as portas” para caboclo é Averequete,
“vodum nagô assentado no jeje”, como costuma falar Dona Celeste, uma das vodunsis mais
conhecidas da Casa das Minas-Jeje. É saudado na abertura do Tambor da Mata e, na Mina-
Nagô, quando “o tambor vira prá mata” - quando se faz um corte no toque de Mina para
homenagear os caboclos e, geralmente, nos terreiros de caboclo, os voduns dão passagem a
eles. Depois que o “tambor vira prá mata” passa-se a cantar em português e os caboclos
podem expressar suas características próprias com maior liberdade, principalmente onde os
voduns “sobem” antes do encerramento do toque, e eles passam a tomar conta do barracão.
Nesse contexto costumam usar lenços coloridos, bradar, dar rodadas, sair do salão para fumar
e, em algumas casas, para beber, e passam a cumprimentar a assistência de modo mais
afetuoso e menos formal do que o dos voduns e gentis.
Algumas entidades caboclas da Mina possuem características semelhantes as de Exu e
Pombagira. Alguns caboclos são vistos como fortes mas perigosos e vingativos; fazem uso de
bebida alcoólica, de palavras e gestos chistosos e meio obscenos (como os turcos, a família de
Legua-Boji e os surrupiras). Mas essas características são reprimidas na maioria dos terreiros
mais tradicionalistas.
Os terreiros de Mina, geralmente, não fazem iniciação completa de muitas pessoas e
não anunciam, aos “de fora”, quem tem maior fundamento. As vodunsis da Casa das Minas
que não moram no terreiro, embora possam fazer pedidos aos voduns em suas casas, precisam
ir ao terreiro até para acender uma vela e, se recebem em casa a visita do seu vodum, este
têm que ir ao “come/peji” (no terreiro) antes de “subir”.
Na Mina tradicional, geralmente, a comida oferecida aos voduns fica algumas horas no
quarto de santo e depois é consumida pelas pessoas no terreiro. Na Mina-Jeje a obrigação é
servida em pequenas tigelas preparadas no “come”. Só na de Acossi (realizada em janeiro, no
dia de São Sebastião) e no “arrambã” ou bancada (realizado na 4ª feira de cinzas), é que a
comida de obrigação é dividida “pelos voduns” na sala ou no barracão. Na Mina-Jeje, os
pertences dos voduns (roupas, colares, leque, cachimbo, bengala, chicote, etc.) devem ficar
na casa e, após a morte das vodunsis, podem ser usados por ele, quando incorporados em
outra pessoa.
Na Mina tradicional a clientela dos “mineiros” é, geralmente, vinculada a eles por
parentesco biológico ou ritual e a clientela dos encantados é constituída de pessoas que têm
ligação com eles, com o pessoal do terreiro e com a religião. Só as pessoas “mais ligadas”
ficam na Casa das Minas ou na Casa de Nagô para falar com os vuduns e só estas procuram as
vodunsis depois do toque para receber delas um banho, passe ou benzimento. Os terreiros
mais antigos têm suas portas sempre abertas mas neles não há horário para consulta e nada
do que é feito ali em benefício de alguém é cobrado ou tem preço estipulado.
Nos terreiros de Mina mais antigos não se joga búzio. Na Casa das Minas não se
costuma dizer a que entidade espiritual uma pessoa pertence, fala-se que é o próprio vodum
que deve revelar a ela a sua escolha e a missão dela decorrente. As pessoas “de fora” que
começam a freqüentar aquela casa, geralmente, tem alguma amizade com uma vodunsi ou
simpatia por um vodum e essa relação é interpretada como uma ligação com o vodum, até
“prova em contrário”. Todos que estabelecem esse tipo de relação passam a colaborar com a
casa. Os mais ligados são integrados a ela como “assissis” de um determinado vodum e,
“quando chega a hora” recebem uma “guia” (colar de proteção). São essas pessoas que, em
caso de necessidade, levam um pacote de velas para serem acesas no come/peji, pela vodunsi
toqüenos (voduns jovens) da família de
que está no comando da casa, e que recebem uma tigelinha de comida de obrigação e uma
garrafa de banho quando essa é encerrada
 
Na Mina as distinções entre voduns, gentis e caboclos interessa mais a antropólogos do
que aos médiuns e pais-de-santo. De modo geral, o termo vodum é usado para designar as
entidades da encantaria africana (jeje, como Dossu, nagô, como Xangô, cambinda, como
Vandereji) e, às vezes, de forma genérica, para designar as entidades mais antigas e
prestigiadas recebidas no Tambor de Mina.
O termo gentil designa encantados da nobreza européia, geralmente cristã, associados
a orixás e, às vezes também, a santos católicos. Esses encantados são também classificados
como nagô-gentil ou como vodum-cambinda. Entre eles merecem destaque: Rei Sebastião,
associado a Xapanã e a São Sebastião; Rainha Dina, associada a Iansã; Rainha Rosa, associada
a Santa Rosa de Lima e a Oxum; Dom Luiz, Rei de França, associado a Xangô e a São Luís (Luiz
IX).
No Maranhão, o termo caboclo designa entidades distintas dos voduns africanos e dos
gentis, mas, difíceis de serem definidas e caracterizadas. De modo geral os caboclos são:
1) encantados que tiveram vida terrena mas não podem ser confundidos com espíritos
de mortos (eguns), do astral, e alguns deles pertencem a categorias não humanas como os
botos e surrupiras;
2) são associados às águas salgadas, como os turcos; à mata, como a família de Légua-
Boji; à água doce, como Corre-Beirada (oriundo da Cura/ Pajelança);
3) pertencem à encantaria brasileira mas podem ser originários de outros países
(França, Turquia);
4) têm ligação com grupos indígenas mas podem ser nobres que preferiram ficar fora
dos castelos;
5) são recebidos freqüentemente, mas nem sempre na qualidade de “donos da
cabeça”;
6) são homenageados, geralmente, no final ou no último dia do toque mas podem ser
recebidos em rituais onde há voduns.
Na Mina, falar em caboclo é falar em Mina-Nagô ou em Mina cruzada com Mata,
Cura/Pajelança ou Umbanda, já que na Casa das Minas-Jeje não se entra em transe com ele.
Na Casa de Nagô o caboclo é muito antigo e integrado com voduns e gentis. Fala-se que no
passado eles eram ali recebidos em todas as festas mas em noite reservada a eles. Hoje
dançam na roda dos voduns e gentis e só as pessoas que conhecem bem a casa e as vodunsis
podem identificar quem está com, gentil ou caboclo.
Alem de toques para voduns (e orixás), gentis e caboclos, os terreiros de Mina
realizam também rituais onde ocorre transe com índios, surrupiras, botos, fulupa ou com
outros encantados que só podem participar dos toques de Mina se “vierem como caboclos”
(civilizados ou humanizados). Como as entidades indígenas são mais amplamente conhecidas
na religião afro-brasileira e temos informações mais completas e sistematizadas sobre elas do
que sobre as outras, vamos tratar agora um pouco sobre a relação dos caboclos com elas.
(5)
ligaram à Umbanda, Quimbanda ou Candomblé são procurados por maior número de clientes e só em salão de
curador se pode encontrar movimento de pessoas durante os toques para consultar um guia espiritual.
Na Mina do Maranhão, só os pais-de-santo que começaram como curadores/pajés, como terecozeiros, ou que se

Índios e caboclos na Mina e na Umbanda maranhense

Como já esclarecemos, na
indígena e os que têm não se manifestam de modo selvagem nos toques de Mina. Há uma
tendência nos terreiros maranhenses para distinguir índio (selvagem, que usa arco, flecha e
vestimenta de pena), caboclo de pena (índio aculturado) e caboclo (não índio, às vezes turcos
ou descendentes de nobres europeus).
Em terreiros de Mina a exibição de características selvagens, o usos de arco, flecha e
de vestimenta indígena por médium incorporado, geralmente, só aparece em rituais
destinados exclusivamente a entidades indígenas (como o realizado com uma estrutura diversa do toque de Mina).
É preciso lembrar que as entidades espirituais na Mina não usam paramentos muito
elaborados. Os mineiros costumam dançar “fardados” - todos de calça ou blusa branca e saia
ou camisa da mesma cor (branca, vermelha, verde, amarela, azul, rosa, estampada). Na Mina-
Jeje os voduns mais velhos costumam usar no ombro esquerdo um lenço dobrado do mesmo
tecido da saia, e alguns usam bengala (como Lepon) ou chicote na mão (como Dossu). Fala-se
do uso, no passado, de chapéu de feltro, por vodum da Casa das Minas-Jeje. Na casa de Nagô,
pelo menos atualmente, os voduns não usam paramentos (nem os nagô, como Xapanã, nem os
cambinda, como Pedro Angassu, e nem os jeje, Bossa).
No terreiro da Turquia, chefiado pela entidade conhecida por Rei da Turquia, as
entidades espirituais fazem uso de grandes lenços de seda coloridos, dobrados em diagonal e
amarrados na cintura (como Rei da Turquia), no pescoço (como Jaguarema), ou enrolados na
mão (como Mensageiro de Roma). Essa prática é também adotada pelos turcos em outros
terreiros de caboclos (ou “bêta”, como são denominados na Casa das Minas-Jeje).
Atualmente, em terreiros que se definem como Mata ou que têm linha de Codó, como
o de Jorge Itaci, alguns encantados costumam usar chapéu de couro ou de palha,
principalmente, em toque realizado para a família de Légua-Boji (vaqueiro) ou em
homenagem a algum caboclo importante na casa (por exemplo, no aniversário do guia-chefe
do pai-de-santo ou mãe-de-santo)
(Candomblé de Caboclo) e na Umbanda Omolocô por médiuns incorporados com boiadeiros.
Em alguns terreiros, como na Casa de Nagô, não é fácil diferençar voduns, gentis e
caboclos. Na Mina todos são organizados em famílias, tem mitologia e identidade, falam,
cumprimentam a assistência, podem dar um passe, benzer ou usar sua energia (vibração) para
curar uma pessoa da casa ou um freqüentador do terreiro (embora não dêem consulta). Mas,
existe uma coisa que os distingue claramente das outras entidades espirituais: as doutrinas
(pontos cantados) de caboclo são em português. Podem ter algumas palavras africanas mas
suas letras podem ser compreendidas pela assistência e repetidas pelos filhos-de-santo quando
falam dos ensinamentos e mistérios de sua religião.
Alguns caboclos da Mina são, às vezes, também recebidos na Cura/Pajelança ou em
rituais de outras tradições religiosas afro-brasileiras, como a Umbanda e o Candomblé de
Caboclo. Quando isso acontece, é comum o uso de nomes ou de repertórios musicais
diferentes. Mas é preciso lembrar que nem sempre caboclos da Mina que têm nomes
conhecidos em outras manifestações religiosas afro-brasileiras podem ser considerados a
mesma entidade espiritual. Embora haja migração de caboclos de uma linha para outra (como
é o caso de Jurema) e, talvez, de Bartira), muitos caboclos da Mina que têm nomes
Mina do Maranhão, os caboclos nem sempre têm origemTambor de Índio, Borá ou Canjerê,Brinquedo de Cura (Pajelança) ouGira de Umbanda, quando ha incorporação com entidade indígena.(6). O chapéu de couro é também usado no Samba Angola
conhecidos na Umbanda parecem não serem a entidade de mesmo nome recebida na
Umbanda. Entre esses podem ser citados: Tabajara, Ubirajara e Tapindaré, da família do Rei
da Turquia.
Uma grande diferença entre a Mina e a Umbanda em relação ao caboclo reside na
freqüência em que ele é representado como índio e o uso de imagens (estátuas) para
representá-lo. Nos terreiros de Mina mais antigos ou presos ao modelo da Casa das Minas e da
Casa de Nagô, só os santos têm estátuas. As entidades espirituais são identificadas por guias
(colares de contas) e estes, representam mais a sua família do que cada entidade
individualmente. O uso de pontos riscados parece não ser também tradicional na Mina. Sua
utilização nos terreiros de caboclos parece ser conseqüência de seu contato com a Umbanda.

CONCLUSÃO

No Maranhão o culto ao caboclo é amplamente desenvolvido e só não é encontrado na
Mina-Jeje. Embora cada denominação religiosa afro-brasileira tenha suas entidades caboclas
estas podem ser também encontradas em rituais que não pertencem a sua origem, uma vez
que a maioria dos terreiros têm mais de uma “linha” (Mina, Cura, Mata, Umbanda,
Candomblé) e os médiuns, geralmente, têm ligação com mais de uma delas.
No Tambor de Mina existe uma separação maior entre caboclo e índio do que entre
caboclo e vodum. Além do vodum Averequete abrir as portas para caboclo na Mina-Nagô e na
Mata de Codó, geralmente, os chefes das grandes famílias de caboclo da Mina têm parentesco
ritual com voduns. No Terreiro da Turquia, Averequete é padrinho de muitos encantados e, no
tempo da fundadora daquele terreiro, Rei da Turquia dançava com uma “guia” dada a ela por
Polibiji.
No Maranhão, tal como os voduns, o caboclo tem identidade própria, família, mitologia e
simbologia complexa. Na Casa de Nagô e nos demais terreiros que têm caboclos eles podem
ser recebidos junto com os voduns, nos mesmos rituais, e têm um comportamento muito
semelhante ao deles. Mas, algumas entidades, como Legua-Boji-Buá, são tão próximos aos
voduns e aos caboclos que chegam a ser classificadas por uns como vodum cambinda e por
outros como caboclo (príncipe guerreiro, chefe da Mata de Codó, filho de Dom Pedro Angassu
e Rainha Rosa)
Embora as entidades espirituais os caboclas no Maranhão tenham sempre alguma
ligação com o índio (população nativa do Brasil), só alguns são representados como tendo
origem indígena. Na Mina o conceito de caboclo depende mais de seu surgimento no Brasil,
como entidade espiritual, e de sua posição na cabeça do filho-de-santo do que de suas
características étnicas.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

BARRETTO, Maria Amália Pereira.
COSTA EDUARDO, Octávio da.
York: J.J. Augustin Publisher, 1948.
FERREIRA, Euclides Menezes.
1987.
Os voduns do Maranhão. São Luís: FUNC, 1977.The negro in Northern Brazil, a study in acculturation. NewA Casa Fanti-Ashanti e seu alaxé. São Luís, Gráfica Alcântara,
(7)
adotivo de Dom Pedro Angassu.
Em Codó (MA), Legua-Boji é também conhecido como um preto-velho angolano, vaqueiro, afilhado ou filho
9
FERRETTI, Mundicarmo.
SECMA, 1991 (Lp e encarte).
terreiro de São Luís - a Casa Fanti-Ashanti
FERRETTI, Sergio.
1985.
PEREIRA, Manoel Nunes.
culto dos voduns, do panteão Daomeano, no Estado do Maranhão - Brasil
Petropolis: Vozes, 1979 (1ª ed. de 1947).
SANTOS, Maria do Rosário Carvalho.
sócio-cultural
VERGER, Pierre. Uma rainha africana mãe-de-santo em São Luís.
jun.jul.ago., p.151-158, 1990.
O Candomblé no Maranhão. São Luís: Gráfica Alcântara, 1984.Tambor de Mina, Cura e Baião na Casa Fanti-Ashanti. São Luís:Desceu na Guma: O caboclo do Tambor de Mina no processo de mudança de um. São Luís: SIOGE, 1993.Terra de Caboclo. São Luís: SECMA, 1994.Querebentan de Zomadonu: etnografia da Casa das Minas. São Luís: UFMA,A Casa das Minas: uma contribuição ao estudo da sobrevivência do. 2ª ed.,Boboromina: terreiros de São Luís, uma interpretação. São Luís: SECMA, 1986.Revista USP, São Paulo, n.6,

ENTIDADES ESPIRITUAIS CABOCLAS DO TAMBOR DE MINA

(5).

(1993) e em
Os terreiros de Mina mais antigos não estimulam a abertura de outras casas. A Casa
das Minas não reconheceu, ate hoje, nenhuma outra como Mina-Jeje e a Casa de Nagô,
embora tenha reconhecido vários terreiros antigos como dela oriundos, não preparou ninguém
para abrir terreiro (fala-se que algumas vodunsis foram autorizada, por sua entidade
espiritual, a abrir terreiro e que depois da casa aberta tiveram acompanhamento de sua mãede-
santo durante dois anos).
O empenho da Casa das Minas e da Casa de Nagô para impedir a multiplicação de
terreiros de Mina justifica a suspensão ali de iniciações completas desde 1914, e a falta de
ligação direta de outros terreiros com elas. Os pais-de-santo que preparam hoje pessoas para
abrir ou comandar terreiro foram iniciados em casas extintas e/ou completaram sua iniciação
fora do Estado e fora da Mina.
No Tambor de Mina são cultuados voduns e orixás (africanos), gentis (nobres
associados a orixás ou entidades africanas com nomes brasileiros) e caboclos (entidades
surgidas nos terreiros brasileiros). Essas entidades são organizadas em nações e em famílias, e
possuem diferenças de idade bem marcadas. Mas, embora as mais velhas sejam mais
prestigiadas, as mais novas (às vezes crianças) podem ser também “donas da cabeça” e
podem ser recebidas em todos os toques, como: os gêmeos Tossá e Tossé e a princesa
Sepazim, da família real do Dahomé (recebidos na Casa das Minas-Jeje); e Menino Da Lera (da
família do Rei da Turquia).
Na Mina as entidades masculinas e adultas são mais numerosas e vêm nos toques com
maior freqüência. Os caboclos, geralmente, só são “donos da cabeça” quando o médium não
O Tambor de Mina surgiu na capital do Maranhão, se expandiu pelo Pará, Amazonas,
outros Estados do Norte e para as capitais que receberam grande número de migrantes do
Norte, como Rio de Janeiro e São Paulo. Embora hegemônico no Maranhão, o Tambor de Mina
- Jeje, Nagô, Cambinda, foi sincretizado no passado com manifestação religiosa de origem
indígena denominada Cura/Pajelança e com uma tradição religiosa afro-brasileira, surgida em
Codó (MA), denominada Mata ou Terecô.
A partir dos anos sessenta a Mina e a Mata passaram a ser influenciadas pela
Umbanda, tanto na capital como no interior do Estado. Hoje, embora as casas de Mina mais
antigas não tenham se filiado a Federações de Umbanda, muitos terreiros de Mina e de Mata
adotaram a Umbanda e, apesar de continuem realizando rituais de Mina, Mata e Cura
apresentam como de Umbanda e participam de atividades promovidas pela Federação como: a
Festa de Iemanjá, no ano novo, e a Procissão dos Orixás, no aniversário da fundação de São
Luís.
O Candomblé só penetrou de forma mais visível no Maranhão depois dos anos setenta,
especialmente na Casa Fanti-Ashanti, sobre a qual trato especificamente em
Casa das Minas - Jeje, consagrada ao vodum Zomadonu, e a Casa de, consagrada ao orixá Xangô - abertas em meados do século passado por africanos.

INTRODUÇÃO

: Antropologia Social; Religião afro-brasileira; Tambor de Mina; Umbanda: Caboclo.

Mundicarmo Ferretti - UEMA; INTECAB

O Triangulo, Ano III, n. 39 (1996), 40 e 41 (1997).2


Axé


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário